Luziânia e região recebem orientações para lidar com animais peçonhentos

Por Capital do Entorno 03/10/2017 - 20:58 hs

Equipe multiprofissional da Secretaria da Saúde (SES), responsável pelo Programa de orientação sobre animais peçonhentos, constatou que houve proliferação desses animais em várias regiões do País. Em função disso, a frequência de acidentes por animais peçonhentos tem aumentado, com consequente aumento da incidência de mortes, especialmente em menores de 10 anos.

Portanto a SES, meio do Centro de Informação Toxicológica (CIT), realiza nesta terça-feira, dia 3, em Luziânia, um curso com o objetivo de capacitar profissionais de Saúde sobre a assistência às pessoas vítimas de acidentes por animais peçonhentos, em especial o escorpião. Participam do curso cerca de 60 servidores lotados em Luziânia e nos outros seis municípios que compõem a Região de Saúde Entorno Sul.

O curso foi idealizado com o propósito de atualizar os conhecimentos das equipes de profissionais de Saúde para o fornecimento de informação e orientação sobre o diagnóstico, prognóstico, tratamento e prevenção dos acidentes por animais peçonhentos, bem como realizar a vigilância epidemiológica a nível local. Os participantes do curso terão a missão de atuar como multiplicadores, repassando o conhecimento aos profissionais dos municípios.

A equipe do CIT avalia que o conhecimento sobre as características das espécies peçonhentas é fator determinante para a diminuição das condições favoráveis à proliferação destes animais, principalmente em áreas urbanas, como é o caso das aranhas e escorpiões. O CIT tem realizado o mesmo tipo de curso em outros municípios do Estado, em especial nas sedes das Regiões de Saúde. Atuarão como instrutores do curso a médica Andréia de Miranda, a enfermeira Lesley Divina Matias Soares e a médica veterinária Veruska Castilho de Oliveira Neve, todas do Centro de Informação Toxicológica.

O CIT, órgão coordenador do Serviço de Vigilância de Acidentes por Animais Peçonhentos no Estado, desenvolve ações de vigilância epidemiológica, capacitação, pesquisa, distribuição de soros antiveneno, plantão 24 horas sobre intoxicações diversas a profissionais de saúde e à população. A partir destas capacitações, o Centro tem articulado a organização de ações de vigilância e controle para execução municipal por meio das Regionais de Saúde, juntamente com outros órgãos envolvidos, com o intuito de diminuir a exposição humana a este risco.

Assessoria de Comunicação da SES