Festa do Morango, em Brazlândia, começa na sexta (1º)

Serão 10 dias de programação, com atividades culturais e técnicas, além de venda direta da fruta e derivados. Região tem cerca de 250 produtores, enquadrados na agricultura familiar

Por MARYNA LACERDA, DA AGÊNCIA BRASÍLIA 30/08/2017 - 22:06 hs

A 22ª edição da Festa do Morango, em Brazlândia, começa em 1º de setembro, a partir das 19 horas. O evento ocorre até o dia 10, na sede da Associação Rural e Cultural Alexandre de Gusmão, no Incra 6, BR-080, km 13, com entrada gratuita.

A programação inclui venda direta da fruta e produtos derivados na Morangolândia. A expectativa é alcançar R$ 670 mil em comercialização.

Também estão previstas atividades artísticas e as ligadas a cultivo, como o 13º Encontro Técnico do Morango, organizado pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-DF), no sábado (2).

O foco do encontro deste ano serão as técnicas mais econômicas de irrigação e armazenamento de água, indicadas para produção de hortaliça, classificação que também se aplica ao morango.

“Teremos dia de campo, com a visita a propriedades que já implementam as técnicas”, conta o gerente do escritório local da Emater, Rodrigo Teixeira Alves.

A festa conta ainda com a premiação do 13º concurso de receitas com morango, no domingo (3). Na sexta (8), será aberta a 28ª Exposição Agrícola de Brazlândia, também na sede da associação.

Estão previstos também shows com artistas locais e a 2ª edição Colha & Pague, em que o público pode visitar uma propriedade e adquirir a fruta colhida diretamente da planta.

O evento marca o período de safra do fruto, que ocupa 105 hectares de produção em campo aberto em Brazlândia. São 250 produtores, a maioria agricultores familiares. A produtividade média é de 40 toneladas por hectare ao ano.

40 toneladasProdutividade média por hectare da cultura do morango no DF

Por causa da situação de escassez hídrica, a área plantada foi reduzida em cerca de 30% em relação ao ano passado, quando o cultivo ocupava 150 hectares na região. Apesar disso, a produtividade se manteve.

A cultura incorpora tecnologia de ponta, com irrigação por gotejamento aliada à adubação. Outra técnica agregada ao cultivo é o uso do mulching(acolchoado).

Ela consiste na aplicação de plástico ou lona na cobertura do solo. “Isso diminui o contato do fruto com a terra, o que afasta a ação de ervas daninhas e fungos”, explica o gerente do escritório local da Emater.

“A técnica do mulchingdiminui o contato do fruto com a terra, o que afasta a ação de ervas daninhas e fungos”Rodrigo Teixeira Alves, gerente do escritório da Emater

Uma técnica que tem ganhado a adesão de produtores é a do sistema hidropônico, em que as plantas ficam em vasos apoiados em madeira. “Por meio desse sistema, é possível colher a fruta com mais conforto, o que acelera o processo produtivo”, conta Alves.

A variedade mais plantada no DF é a do morango Portola, considerada bastante versátil e que se adapta bem a dias com mais ou menos horas de luz. Outras, como a Camino Real e a Camarosa também encontram boa aceitação entre os agricultores.

As frutas produzidas aqui abastecem o mercado interno e uma parte da produção segue para Goiânia, em Goiás, e Palmas, no Tocantins. Elas também são comercializadas em polpa, geleias e doces.

Uma das razões para a cultura de morango ter se adaptado bem ao Planalto Central é a altitude, de cerca de 1,2 mil metros.

O cultivo foi trazido pela comunidade japonesa que aqui se fixou na construção de Brasília. “Dos anos de 1990 para cá, a produção se estabeleceu e se expandiu”, conta Alves.