Operação conjunta resgata 70 animais silvestres em Santa Maria

Coordenada pelo Ibram, ação apreendeu espécies como canário-da-terra, periquito e jabuti. Bichos foram encaminhados a centro de triagem do Ibama

Por SAMIRA PÁDUA, DA AGÊNCIA BRASÍLIA 23/08/2017 - 08:36 hs
Foto: Andre Borges/Agência Brasília

Setenta animais silvestres foram apreendidos nesta terça-feira (22), em Santa Maria, durante operação conjunta do Instituto Brasília Ambiental (Ibram), da Polícia Civil — por meio da Delegacia Especial de Proteção ao Meio Ambiente e à Ordem Urbanística (Dema) — e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Cerca de 20 servidores participaram da ação, que teve início às 8 horas e terminou às 18h30. “O objetivo é coibir a criação ilegal, com foco em criadores sem qualquer tipo de cadastro em órgão ambiental”, explicou a gerente de Fiscalização de Fauna do Ibram, Karina Torres. A autarquia esteve à frente da operação.

Entre os animais resgatados estavam canário-da-terra, sabiá-laranjeira, graúna e periquito. Apesar de as aves serem o foco, em um dos 28 imóveis visitados, além de oito desses animais, foi encontrado um jabuti, espécie ameaçada de extinção.

Na operação de hoje, os servidores constataram irregularidades relacionadas a maus-tratos, como ave com pata quebrada, gaiolas sujas e água com lodo.

Os bichos foram encaminhados ao Centro de Triagem de Animais Silvestres do Ibama, na Floresta Nacional. “Lá, eles serão tratados, receberão o devido cuidado veterinário e serão encaminhados para reabilitação”, detalhou Karina.

Denúncias podem ser feitas pelo 162

Manter animal silvestre da fauna brasileira em cativeiro é crime, de acordo com a Lei Federal nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, e o Decreto Federal nº 6.514, de 22 de julho de 2008. É passível de detenção, e a pessoa responde a processos criminal e administrativo.

Os proprietários autuados hoje pagarão multas com valores de R$ 500 ou R$ 5 mil. No total, foram 30 autuações e R$ 113 mil em multas aplicadas. Eles têm dez dias para apresentar defesa. Foram ainda intimados a comparecer à delegacia — alguns já foram conduzidos.

De acordo com o Ibram, grande parte dos locais visitados veio ao conhecimento do poder público por meio de denúncias, que podem ser feitas pela ouvidoria, no telefone 162.