Depressão: A gente trata da cabeça aos pés, buscando a causa e a origem do problema, diz médico

Ao contrário do que normalmente se pensa os fatores psicológicos e sociais, muitas vezes, são a consequência e não a causa da depressão. Hoje a doença afeta 322 milhões de pessoas no mundo, segundo dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Por Viver Melhor 11/04/2017 - 21:43 hs

De acordo com o médico ortomolecular Herval Martins a depressão não tem classe social, idade ou sexo. Segundo ele existem, em Brasília, crianças com dois ou três anos de idade que já fazem tratamentos para combater a doença. “Há cerca de 20 anos atrás, a depressão estava restrita somente a mulheres na casa dos 40 anos de idade. De lá pra cá, a depressão tem atingido todas as idades da população, no mundo inteiro. A enfermidade ainda continua sendo a que mais atinge as mulheres, contudo o número tem aumentado em relação aos homens,” disse o médico.

Mas o que é a depressão?

Segundo Herval Martins, depressão é a queda da vitalidade cerebral. “A cabeça começa a trabalhar mesmos do que deve. A depressão possui vários sintomas que a define, como por exemplo, o chorar, mesmo que isso hoje não seja um fator tão comum,” destaca.

Ainda de acordo com o médico, normalmente pessoas que apresentam quadro de depressão não têm uma noite de sono regular. “A pessoa não consegue dormir com facilidade, acorda no meio da noite, e em quase todos os casos, levanta-se pela manhã, sem nenhuma disposição. Outro quadro da doença é ou lapso de memória, ou seja, o esquecimento, que hoje é comum em todas as idades,” diz.

Herval também ressalta que dependendo da pessoa, da idade ou do sexo, principalmente nos homens, os quadros da doença costumam ser mais agudos. “Os homens, raramente procuram um apoio. Quando eles chegam a admitir que estão com depressão, já não têm vontade de fazer nada...

...algo importante, a mulher com a doença não é levada a ter muitas tendências suicidas, já no caso dos homens, dependendo do grau e da intensidade, este risco é mais alto, pois é uma depressão crônica.

 ...no caso delas a depressão crônica normalmente evolui para duas situações. A doença mal tratada gera dores inespecíficas no corpo, ou seja, que não tem uma causa. Estas dores são chamadas defibromialgia. Já a outra situação, é a síndrome do pânico, fazendo com que a pessoa se isole de tudo, tenha medo, até de sair de casa ou utilizar elevadores”, disse.

Tratamento

A medicina ortomolecular é uma especialização em clinica geral. “A gente trata da cabeça aos pés, buscando a causa e a origem do problema,” diz Herval Martins.  

Ele destaca que normalmente as pessoas procuram tratamento para “tirar a depressão”. Contudo, Herval afirma que a doença é a causa de algum outro distúrbio como sono ruim; má digestão ou absorção de oxigênio; desiquilíbrio hormonal, dentre outros. “Se não pegamos esta base, não conseguimos curar nada. Precisamos buscar a causa, tratamos e acaba-se o problema”, finaliza.

Sobre o Médico

Herval Martins é médico ortomolecular com mais de 26 anos de experiência. Seu consultório está localizado na SHLS 716, no edifício Centro Clinico Sul – Torre II, sala 123, em Brasília.  Para mais informações entre em contato pelos telefones (61)3245- 1178 – (61)9.8154 -9535 ou pelo e-mail: ortomuleculardf@gmail.com